Mais de 70% dos brasileiros querem delivery de comida livre de plástico

Brasil ocupa quarta posição no ranking mundial de produção de plástico. Consumidores cobram, de aplicativos e restaurantes, embalagens mais sustentáveis.

A demanda por itens descartáveis, como embalagens para serviços de entrega, cresceu desde o início da pandemia, reascendendo o alerta sobre o uso indiscriminado de plástico e seus efeitos noviços sobre a natureza. Uma pesquisa realizada pelo Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria), mostrou que os consumidores brasileiros têm se preocupado com a situação, e 72% já gostariam de receber delivery de comida sem plástico.

Outros 15% afirmaram já terem deixado de pedir o serviço por se sentirem incomodados com a quantidade de plástico enviada junto com a comida. Foram mais de mil pessoas entrevistadas, entre os dias 6 e 14 de março. O estudo foi encomendado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), e pela ONG Oceana, líderes da campanha #DeLivreDePlástico.

O levantamento constatou que a maioria dos consumidores, 86%, vê os aplicativos de delivery com igual ou maior responsabilidade que os restaurantes no combate ao plástico. Mais de 75% ainda acreditam que os apps deveriam se comprometer publicamente com metas de redução de plástico descartável, e 82% acham que as embalagens deveriam ser disponibilizados somente a pedido do cliente.

Entre os itens que os brasileiros menos querem receber, de acordo com o levantamento, são canudos e mexedores de bebidas (53%), talheres (52%); e copos de plástico (47%). Em relação às sacolas e recipientes de isopor, mais da metade pedem para eles sejam substituídos por materiais alternativos e menos poluentes.

“Os aplicativos de entrega de refeição têm papel fundamental na transição para uma economia circular do plástico e na eliminação dos itens descartáveis desnecessários. Além de serem vetores da intensificação do delivery, sua capacidade de influência sobre a cadeia de valor coloca os aplicativos como importantes agentes dessa mudança”, afirmou o coordenador da campanha Mares Limpos do PNUMA, Vitor Leal Pinheiro.

Brasil produz plástico de mais e recicla de menos

Segundo dados do WWF-Brasil, o país ocupa a quarta posição no ranking mundial de produção de plástico, gerando 11,3 milhões de toneladas de resíduos do material por ano, entretanto, recicla menos de 2% do lixo produzido anualmente.

Estudos mostram que a maior parte dos resíduos plásticos acaba nos oceanos, ameaçando os ecossistemas marinhos. Estima-se que entre 70 mil a 190 mil toneladas de lixo plástico são despejados por ano nos mares pelas comunidades costeiras.

Apesar da grande quantidade de plástico já estocada nos solos e mares, a tendência é que a produção do material dobre nos próximos anos. Em 2025, a produção de plástico deverá atingir mais de 600 milhões de toneladas por ano, um aumento de 50% em relação à produção atual, indicou um levantamento recente.

 

Notícias relacionadas: 

Canadá anuncia medidas para zerar resíduos plásticos até 2030

Fundo dos oceanos abriga mais de 14 milhões de toneladas de microplásticos

Pesquisadores criam plástico de mandioca

 

Rua Antares, 100, Santa Lúcia
Belo Horizonte / MG CEP: 30360-110
Telefone: (31) 3291 0661

Assine e receba as novidades e notícias sobre nossas ações, eventos e meio ambiente