Notícias

Operação apreende 120 animais silvestres no norte de Minas

Curió e canário-da-terra foram as espécies mais encontradas

05 de Outubro de 2017
Foto Projeto
Canário-da-terra é bastante visado pelo tráfico por seu belo canto e facilidade de criação em cativeiro

Cento e vinte animais silvestres foram apreendidos durante a Operação de Fiscalização da Fauna, realizada em setembro pelo Núcleo de Fiscalização de Recursos Faunísticos da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) em parceria com a Polícia Militar de Meio Ambiente (PMMA). A ação ocorreu no norte e noroeste de Minas Gerais e aplicou 200 mil reais em multas.

Durante a ação foram estudados pontos estratégicos usados por traficantes e caçadores para comércio e criação de animais. O curió e o canário-da-terra foram as espécies mais apreendidas. A operação aconteceu nos municípios Chapada Gaúcha, Serra das Araras, Arinos, Urucuia, Buritis, Uruana de Minas e Riachinho.

Segundo o coordenador do Núcleo de Fiscalização, Diêgo Maximiano, a fauna da região é bastante rica. Ele cita o caso do pássaro bicudo (Sporophila maximiliani), que já foi abundante, mas hoje não é visto mais. "O local também abriga muitas espécies de psitacídeos (papagaios, periquitos e araras), que são visadas pelo tráfico, cujos filhotes são subtraídos dos ninhos para abastecerem o comércio ilegal de animais silvestres", explicou.

De acordo com o coordenador, o Parque Estadual da Serra das Araras é um dos locais que mais sofre com a exploração dessas espécies. "O parque abriga paredões e sítios geológicos que propiciam a reprodução e sobrevivência destas aves. Esta condição é o que faz com que a Serra das Araras seja tão visada pelo tráfico de animais silvestres", evidenciou.

O vice-prefeito de Chapada Gaúcha, município que abrange a Serra das Araras, João Raimundo Mota, foi detido no mês passado por caça e porte ilegal de armas. Os mandatos de busca e apreensão foram expedidos após investigações da PMMA e denúncias de que o político estava caçando nas dependências da unidade de conservação. O vice-prefeito foi liberado após pagamento de fiança.

"Segundo informações, veados são mortos ao vir beber água na beirada dos rios. Tatus e cotias também estão entre os animais mais caçados na região, por isso, é muito importante a intensificação das atividades de fiscalização, como forma repressiva de atuar contra o tráfico de animais silvestres. Também são necessárias atividades de educação ambiental, orientando e preparando a população para o convívio harmônico com a fauna local", ressaltou Diêgo Maximiano.

A cada 10 animais retirados da natureza, apenas nove chegam vivos ao seu destino final. Caça e tráfico de animais são considerados crimes ambientais (Lei de Crimes Ambientais - Lei n.º 9.605/98.

Denuncie qualquer suspeita de caça ou atos ilícitos praticados contra a fauna. O cidadão que possuir animais irregulares pode fazer a entrega voluntária em qualquer Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) no estado ou entrar em contato com a PMMA.

Ibama
Tel: 0800-61-8080
E-mail: linhaverde.sede@ibama.gov.br    
Horário: 8h às 18h

Disk denúncia
Tel.: 181

Diretoria de Cadastro e Gestão de Denúncias (DCAD)
Tel: 155 (LigMinas)
Horário: 7h às 19h